Erros mais comuns ao Investir Dinheiro

Publicado a 24 Junho 2013

Saiba quais são os erros mais comuns que os investidores cometem na hora de investir dinheiro. Conheça o que você não deve fazer para continuar a ganhar dinheiro!

Ás vezes, o papel de investidor tem mais a ver com o de um jogador de poker numa mesa hostil do que com a maneira de como é gerido o fundo ou depósito. A psicologia joga um papel fundamental na decisão do investidor mas, por muito alto que este tenha chegado no mundo dos negócios, ninguém está livre do pânico e de perder dinheiro em vez de ganhar.

Se você quer evitar a “vertigem do investidor”, para não perder milhares ou milhões, deixamos logo de seguida vários conselhos que você deve seguir e até mesmo ter presente todas as vezes que estiver a colocar o seu dinheiro em jogo:

  • Os investidores arriscam quando o mercado sobe e evitam riscos quando baixa – O controlo do impulso, dado que é impossível saber o momento exacto de entrar ou sair de uma posição, é um exercício mental que todos os investidores devem saber gerir. Um investidor inteligente deve saber calcular corretamente os objetivos, o risco, a estratégia e os prazos. E a partir daí fazer os ajustes necessários de uma maneira racional. O pânico e a ganância são os seus principais inimigos.
  • Perder a perspectiva – Saber quando vender posições ganhadoras e manter posições com perdas exige um cálculo analítico, frio e objetivo, ao contrário do que você pode esperar. A longo prazo você deve sempre ganhar.
  • Cada investimento é diferente – Sem considerar a carteira de uma forma conjunta, você não deve compensar “cavalos ganhadores” com “cavalos perdedores”. Use as plataformas de negociação disponíveis para ganhar dinheiro com os pequenos movimentos do mercado.

  • Cuidado com as bolhas – Os investidores têm que comprar quando está baixo, comprar ainda mais ao longo do tempo enquanto o ativo estiver barato, e depois vender quando estiver caro. Mas tenha atenção para saber quando parar, caso contrário poderá estar a entrar numa bolha.
  • A sobrevalorização – As empresas viáveis não têm que ser necessariamente bons investimentos. O funcionamento na bolsa de valores gira em torno de muitas variáveis, e a reputação é uma delas. Uma pequena mudança na empresa sobrevalorizada pode não mandar a empresa à falência, mas sim a si e à sua carteira de investimentos.
  • Não é bom nem o excesso de confiança nem perder de vista o factor tempo – Investir a curto prazo é perigoso, não continuar a trabalhar diariamente para assegurar o longo prazo também o é. Um novo competidor pode dar cabo da sua confiança e com as suas poupanças.