O Problema dos Créditos Rápidos

Publicado a 20 Julho 2013

Saiba quais são os problemas dos créditos rápidos. Descubra várias razões para manter-se longe deste produto financeiro que pode trazer-lhe vários riscos financeiros.

Desde que os bancos começaram a deixar de emprestar dinheiro, é cada vez mais frequente ver famílias a recorrerem ao crédito rápido para resolver alguns dos seus problemas de financiamento ou, ainda pior, para pagar empréstimos atrasados. Com este cenário apareceram várias empresas de crédito rápido que oferecem dinheiro rápido, sem explicações e com todas as comodidades. No entanto, essas empresas têm um lado escuro, cobram uma taxa de juro elevada, entre os 12% e 35%.

Anteriormente apenas emprestavam dinheiro rápido e em efetivo para comprar o carro, fazer férias ou pagar o casamento. Hoje em dia basicamente prestam uma quantidade de serviços, sempre com aspectos negativos para o cliente. Emprestam pouco dinheiro, num prazo pequeno e os juros são elevados.

Em Portugal são várias as empresas que apareceram, sendo a Cofidis, Cetelem, Finicrédito, Flexibom, Capitalmais, entre outras empresas que fazem parte da lista de entidades financeiras que emprestam dinheiro quando mais nenhum banco lhe empresta o capital necessário, embora com condições abusivas e perto do limite legal proibido pela lei portuguesa.

A quantia emprestada anda entre os 5 mil euros e os 25 mil euros e o prazo de devolução do capital emprestado é sempre inferior a cinco anos. A forma de solicitação do crédito é através de telefone ou na página web da empresa.

Estas empresas compensam o risco de não pagamento ou insolvência através dos juros altos que impõem aos seus clientes. Em tempos de crise, têm assegurado o negócio, já que são, infelizmente, a única fonte de liquidez para muitas pessoas. Se você pediu ou vai pedir um empréstimo financeiro deste tipo tenha muito cuidado, pois você pode acabar por piorar ainda mais a sua situação financeira.