Hipotecas sem Aval

Publicado a 18 Novembro 2012

Saiba como funcionam as hipotecas sem aval. Pepara-se para pedir dinheiro para comprar casa. Descubra como poderá poupar dinheiro e tempo na hora de pedir um crédito à habitação.

Alguns anos atrás, as entidades de crédito estavam a fornecer dinheiro mais além dos 80% do valor da casa que você queria comprar, tudo isto sem aval e sem muitos problemas. Contudo, hoje em dia as coisas são completamente diferentes e mesmo com uma situação financeira estável, as entidades bancárias só emprestam até 80% do dinheiro, sendo que você terá que ter pelo menos 20%. A isso terá que adicionar gastos e impostos.

Por definição, um crédito hipotecário tem como garantia o próprio imóvel adquirido, contudo, de forma a aumentar a proteção dos bancos contra o incumprimento. O lucro dos bancos está em cobrar taxas de juro altas o maior tempo possível.

Quando pede um crédito à habitação 80% superior ao valor do imóvel

Devido a muitas famílias não terem o capital necessário para dar entrada no imóvel, são obrigado a pedir mais do que 80% do valor do imóvel, para fazer face ao pagamento da moradia, gastos e compra de móveis, eletrodomésticos, etc.

Nestes casos, as entidades financeiras pedem um avalista, que responde com as suas propriedades (aval), no caso do titular do crédito entrar em incumprimento. Isto supõe que tem que pedir ajuda a um amigo ou familiar, para esta situação embaraçosa para ambos. Também alguém que compra uma segunda casa pode ver-se obrigado a usar como aval o primeiro imóvel.

Mas, existem pessoas que possuiem posses e não contam com familiares e nem pessoas de confiança no país, que sirvam como avalistas, embora tenham uma situação económica solvente. Por isso, existem entidades financeiras que concedem hipotecas sem aval, que podem chegar até a 120% do valor do imóvel. Em troca disto, é necessário subscrever um seguro que cubra o impacto das quotas mensais. Passando a pagar todos os meses o empréstimo, os juros e o seguro.

Isto pode acausar algum problema, pois pode afetar negativamente o seu nível de solvência no futuro, porque em troca de não apresentar avalistas poderá ter de fazer frente à subida das quotas, correspondende ao seguro. Por isso, os prazos de devolução são amplos, até 40 anos.