Siga os Conselhos do Livro “O Monge que vendeu o seu Ferrari”

Publicado a 26 Outubro 2013

Leia o resumo completo a um dos melhores livros sobre Autoajuda e Sucesso. Siga os conselhos indicados pelo seu autor em “O Monge que vendeu o seu Ferrari”!

Esta é a história de Julián Mantle, um advogado de sucesso que tinha praticamente tudo na vida (ou pelo menos ele acreditava que sim). Mas, chegou um dia, em que teve um enfarte e este perto de perder a sua vida. Depois deste evento Julián Mantle tomou a decisão de vender tudo o que tinha, incluindo o seu fantástico Ferrari, para viajar até à Índia em busca da iluminação que faltava na sua vida.

Foi ai então que conheceu os Sábios de Sirvana, numa comunidade remota, perdida nos Himalaias. Julián Mantle estudou juntamente com os monges durante vários anos e assim conseguiu alcançar o que procurava na sua vida: as sete virtudes eternas da vida. Esta história constitui uma fonte de sabedora prática e espiritual, que pode ser aproveitada, e em especial, por gerentes e profissionais. As virtudes apresentados no livro são:

  1. Dominar a mente – O jardim simboliza a mente. Se você cuidar da sua mente, se a nutrir e cultivar como se fosse um jardim, florescerá mais além das suas expetativas. A maior parte das pessoas tem um jardim na sua mente com resíduos tóxicos: preocupações, ansiedades, nostalgia e pequenos problemas do dia-a-dia. Quando mudar a sua forma de pensar e começar a dominar a sua mente, vai ver como tudo vai ser diferente.
  2. Perseguir o propósito – O faro simboliza o propósito de vida. O propósito de vida é uma vida com propósito. Definir claramente as suas prioridades em cada aspeto da vida, tem um papel parecido com o faro: orientação e refúgio diante dos maus tempos.
  3. Praticar o Kaizen – O lutador de sumo japonês simboliza o kaizen, isto é, melhorar constantemente. Para melhorar o seu mundo exterior (saúde, relações, finanças, etc) devemos melhorar o nosso mundo interno: o sucesso começa por dentro. O modo mais eficaz é estabelecer pequenos objetivos e ao longo do tempo começar a aumentar os desafios.
  4. Viver com disciplina – A corda de fio rosa simboliza o poder da disciplina. Um cabo é composto por muitos fios minúsculos. Cada um desses fios, por si só, é fino e frágil, mas em conjunto mais do que as suas partes, torna o cabo muito mais forte. Você deve viver a vida com disciplina, ter os seus próprios pontos de vista e saber o que fazer a seguir.
  5. Respeitar o tempo próprio – O relógio representa o tempo. O tempo foge-nos das mãos com uma facilidade enorme. Por isso, ao saber aproveitar o tempo sabiamente, você vai assegurar que tem uma vida rica e produtiva. O tempo é um recurso não renovável. É importante planificar o trabalho e aproveitar todas as oportunidades.
  6. Ajudar os outros – As rosas amarelas lembram o velho provérbio chinês que diz: “A mão que lhe dá umas rosas conserva um pouco da fragrância”. Isto é, quando trabalhamos para melhorar a vida dos outros, indiretamente estamos a melhorar a nossa vida também.
  7. Abraçar o presente – Os diamantes simbolizam o gosto pelas coisas mais simples e o sucesso que merecemos. Só se vive uma vida realmente gratificante quando podemos “viver no momento”: a felicidade é uma viagem, não um destino. Podemos ter a vida que merecemos se nos esforçarmos. É tão simples quanto isso!

Julián Mantle diz no livro que o seu ritmo de vida estava a cobrar o seu preço. O enfarte não tinha sido um sintoma de um problema mais profundo. Era resultado da pressão constante e da elevada carga horária do seu trabalho como advogado, que tinham destruído o seu espírito. Fui então quando se viu na necessidade de escolher entre a sua carreira e a vida, e terminou escolhendo a segunda.